Categoria: Segurança

BORNE: 3 MOTIVOS PARA USÁ-LOS EM SEU PAINEL

Confira nosso artigo e saiba da importância deste item em seu painel de comando.

No artigo de hoje, vamos entender os 3 motivos pelos quais existe o Borne dentro de um painel de comando e porque estes componentes são encontrados nos painéis com tanta frequência. Seu objetivo principal é fazer a ligação de todos os elementos que estão fora do painel, com os elementos que estão dentro dele. Por isso, existem muitos bons motivos para usar este recurso.

O borne proporciona uma manutenção adequada

O primeiro, é para que você consiga fazer a manutenção da melhor forma possível. Outro grande objetivo dos Bornes é permitir que você identifique mais facilmente os condutores que fazem parte do painel. Assim, você pode fazer a medição através dos orifícios do próprio componente.

Então, ao observá-los, existe um número específico de orifícios, onde são encaixados os condutores. Um grande benefício do Borne é, por exemplo, usar a ponta de prova nestes orifícios para verificar onde existe o problema. Ou seja, as medições também são mais fáceis.

É claro que também é possível fazer a medição diretamente através dos condutores, do relé térmico ou qualquer outro elemento, mas com os bornes o acesso é muito mais fácil e a medição muito mais precisa. Ou seja, a manutenção é muito mais precisa pelo acesso aos condutores que o Borne possibilita.

Facilita o retrofit

Por exemplo, imagine uma situação em que você irá fazer um retrofit, trocando o painel antigo por um novo. Neste caso, a régua de Borne tem uma função estratégica que também facilita muito a vida do eletricista. No momento de fazer a troca, todos os elementos externos estão no painel, mas passam pela régua de Borne. Neste caso, é preciso apenas desconectar os elementos externos, que estão separados pela régua, retirar o painel e colocar o novo. Todo o processo é muito mais simples.

Caso não existisse o Borne, o cabo viria direto do motor para o contator, sendo necessário um processo muito mais complexo. É importante que os botões e sinaleiros também passem pelo Borne, para os casos em que não é necessário trocar o painel inteiro, apenas a placa de montagem.

Dividindo as réguas de Borne

Outro bom motivo para usar a régua de Borne é que ele pode ser identificado no diagrama elétrico muito facilmente. Geralmente, ele aparece no diagrama com o nome X1, X2, X3 e assim por diante. Cada um deles está conectado a um tipo de elemento diferente, como a alimentação, o comando e a potência, por exemplo, mesmo que todas façam parte do mesmo trilho.

Você viu como os bornes são importantes para o nosso trabalho não é mesmo? São componentes fundamentais para efetuar uma manutenção de qualidade.

Fonte: Sala da Eletrica /Imagens Freepik

CHOQUE ELÉTRICO: CONHEÇA TÉCNICAS DE PRIMEIROS SOCORROS

O primeiro atendimento é essencial para o socorro da vítima. Quando realizado da maneira correta, diminui maiores complicações e aumenta consideravelmente as chances de vida. Confira nosso artigo e saiba como realizar os primeiros socorros em uma vítima de choque elétrico.

O choque elétrico é uma das causas mais comuns de acidentes no mundo, além de ser uma das mais perigosas. Por ser resultado da passagem de uma corrente elétrica pelo corpo, ele pode provocar graves consequências para a vítima. Por isso, nesse artigo, separamos algumas dicas de primeiros socorros para choque elétrico.

VEJA 3 COMPLICAÇÕES DO CHOQUE ELÉTRICO

A principal complicação do choque elétrico é a morte, especialmente quando a corrente é extremamente alta. No entanto, existem outros efeitos, são eles:

1. QUEIMADURAS

A maioria dos acidentes de choque elétrico resultam em pequenas queimaduras na pele, contudo, dependendo da intensidade da carga, é possível que ela afete os órgãos internos da vítima. Essa é uma questão muito delicada, uma vez que quando a eletricidade atinge os órgãos pode comprometer totalmente o seu funcionamento – por tabela, a pessoa precisará de tratamentos específicos, como para insuficiência renal, cardíaca ou de qualquer outro órgão afetado.

2. PROBLEMAS CARDÍACOS

A carga elétrica também pode gerar problemas cardíacos: se uma pequena corrente atravessar o peito e alcançar o coração, é capaz de causar uma fibrilhação auricular – um tipo de arritmia cardíaca que precisa ser tratada no hospital. Assim como no caso anterior, se a intensidade for maior, a consequência é mais grave: quando uma forte corrente elétrica atinge o coração, pode paralisá-lo e provocar uma parada cardíaca, ou até mesmo a morte.

3. LESÕES NEUROLÓGICAS

Primeiro, é importante reforçar que toda corrente elétrica pode afetar os nervos de alguma forma. Por isso, quando há repetição de choques ou quando eles são muito intensos, a estrutura dos nervos é comprometida, podendo acabar em uma neuropatia. Essa condição tem como sintomas dor ou dormência nas pernas e braços; dificuldade para mexer os músculos ou tonturas frequentes.

CHOQUE ELÉTRICO: PRIMEIROS SOCORROS

Agora que você já sabe as principais consequências de um choque elétrico, veja os primeiros socorros que devem ser executados antes do atendimento pré-hospitalar chegar.

  • Corte ou desligue a fonte de energia, mas lembre-se de não tocar na vítima;
  • Afaste a pessoa da fonte elétrica que provocou o choque, porém, o faça com o auxílio de materiais que não conduzem eletricidade e secos – como madeira, plástico, pano grosso ou borracha;
  • Chame uma ambulância particular ou pública;
  • Verifique se a pessoa está acordada e respirando: se estiver consciente, acalme-a até a equipe médica chegar; caso esteja inconsciente, mas respirando, deite-a de lado e a coloque em posição lateral de segurança; por fim, se ela estiver inconsciente e não respirando, realize uma massagem cardíaca e a respiração boca a boca;
  • Repita o passo anterior até o atendimento pré-hospitalar chegar.

Gostou do nosso artigo sobre choque elétrico e primeiros socorros? Não esqueça de compartilhar com seus amigos, mostrando a importância desses cuidados.

Fonte: Dez Emergências / Fotos Freepik e Pixabay

QUAIS OS RISCOS DE UMA CERCA ELÉTRICA SEM MANUTENÇÃO?

A cerca elétrica tem a função de repelir a invasão de uma propriedade. A corrente da cerca elétrica não é letal ao ser humano, já que não possui energia suficiente para causar danos, tendo um choque pulsativo, apenas com efeito inibidor, mas o contato com a pele é bastante desagradável.

O alarme é disparado quando há o rompimento ou aterramento dos fios que fazem a proteção da cerca elétrica, tendo uma voltagem altíssima, em torno de 8 mil Volts, sendo acionada mediante fuga de corrente. No entanto, como ela funciona através de pulsos elétricos, com intervalo mínimo de um segundo entre cada descarga, sua amperagem desce a quase zero, não provocando qualquer dano à saúde e à vida de quem a toca.

O poder da cerca elétrica como defesa da propriedade é provocado principalmente pelo susto que o invasor leva ao tocá-la, não ferindo e não levando à morte o invasor. Assim, a cerca elétrica possui uma proteção bastante eficiente, ou expulsando o invasor ou acionando o alarme quando os fios são cortados.

Existem dois tipos de cerca elétrica disponíveis no mercado: as cercas monitoradas, que permitem a integração com a central de alarme, podendo ser ligada ou não a uma empresa de segurança eletrônica, podendo acionar luzes e alarmes quando forem tocadas; e as cercas não monitoradas, que trazem as mesmas características, mas não ficam ligadas a uma central de alarme.

Instalação: como deve ser feita para facilitar a manutenção?

  • A instalação precisa ser feita em muros e alambrados com mais de 2,50 metros de altura, com placas sinalizadoras, sem qualquer contato com vegetação;
  • Sua instalação deve ser perpendicular ou voltada para o interior da propriedade, não podendo ficar vergada para a rua ou um possível vizinho;
  • É preciso conhecimento sobre a legislação municipal sobre cerca elétrica, já que existem restrições de uso em algumas cidades, embora não haja qualquer proibição em legislações federal e estaduais;
  • O Brasil não possui qualquer legislação que trate de instalações de cerca elétrica, seja proibindo ou autorizando sua instalação, mas a ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas possui algumas recomendações que podem ser seguidas;
  • A empresa instaladora deve colocar sinalização na cerca elétrica, alertando sobre as consequências do toque nos fios;
  • É preciso que a cerca elétrica seja instalada dentro dos padrões para que não ocorra morte ou lesão de invasores ou crianças;
  • O equipamento instalado não pode, sob qualquer hipótese, oferecer risco à integridade física de quem possa tocá-lo;

Os funcionários e moradores de condomínios ou outras pessoas que tenham acesso à propriedade devem ser informados da periculosidade e dos cuidados com a cerca elétrica, principalmente alertando as crianças. Havendo vizinhos na propriedade, estes também precisam ser alertados.

Manutenção: como manter a cerca elétrica em ordem?

Os riscos da falta de manutenção podem levar a acidentes sérios com a cerca elétrica, podendo gerar consequências graves para o proprietário do local ou para o síndico, que pode ser processado criminalmente. Pelo menos uma vez por semana, dependendo das condições da vegetação em torno do muro, o responsável pela área protegida deve fazer uma vistoria na cerca, verificando se não há galhos encostados ou plantas crescendo pela cerca.

Na vistoria da cerca elétrica é preciso atenção aos fios que estejam frouxos ou que contenham matéria orgânica, baterias descarregadas ou aterramento deficiente. A manutenção deve ser feita periodicamente por empresa especializada, preferencialmente a mesma que a tenha instalado, em virtude de conhecer a instalação;

A cerca elétrica precisa ser desligada quando há rega de plantas próximas à sua instalação, ou quando for necessário fazer as podas, não podendo deixar também que a vegetação toque na cerca elétrica.

Fonte: Ohub / Imagens Freepik