EXCESSO DE UMIDADE PODE COLOCAR EM RISCO A SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

Curtos-circuitos e oxidação de painéis são alguns problemas que podem ocorrer quando as instalações elétricas ficam expostas à ação da água. Entenda

Lâmpadas que queimam constantemente, goteiras no bocal das luminárias, curtos-circuitos e mau contato na rede elétrica. Esses são alguns indicadores de problemas nas instalações elétricas e que podem ser resultado de falta de controle sobre a incidência da umidade.

Muitas destas ocorrências têm como origem a ausência ou falhas de impermeabilização em lajes e paredes. “Nesses casos, a água percola pelos conduítes e cai no andar inferior através das tomadas e das caixas de passagem”, explica o engenheiro José Miguel Farinha Morgado, diretor executivo do Instituto Brasileiro de Impermeabilização (IBI).

“Além de causar vazamentos e gerar mofo e bolor, essas infiltrações podem trazer sérios danos à rede elétrica da edificação”, destaca o especialista José Miguel Farinha Morgado. “Em casos extremos, como a água é um condutor de eletricidade, o usuário pode sofrer choque elétrico quando em contato com a região molhada ou úmida”, acrescenta o engenheiro Darcio Melian, da L2C Engenharia.

INTERFACE IMPERMEABILIZAÇÃO E ELÉTRICA

A principal norma técnica que trata da impermeabilização de estruturas, a ABNT NBR 9575:2010 Impermeabilização – Seleção e Projeto, estabelece algumas práticas para evitar que a água e a umidade gerem danos às instalações.

Uma delas é a de que todas as tubulações elétricas que passam paralelamente sobre a laje sejam executadas sobre a impermeabilização e nunca sob ela. “A mesma norma estabelece que as tubulações transpassantes nas lajes impermeabilizadas sejam rigidamente fixadas à estrutura com material compatível com os arremates”, comenta Morgado.

Outra prática estipulada em norma diz respeito às caixas de inspeção, passagem e tomadas, que precisam estar posicionadas em cota acima do nível do rodapé do sistema impermeabilizante para evitar a penetração de água.

Morgado destaca, ainda, a importância de se garantir que a instalação de antenas, para-raios, equipamentos de condicionamento de ar e outros, não coloque em risco a estanqueidade das lajes de cobertura. “Em lajes de cobertura, devem ser previstos pontos para fixação de antenas, para-raios, equipamentos de condicionamento de ar e outros”, afirma o diretor do IBI.

Com relação ao processo de impermeabilização, cada edificação possui suas particularidades. Por isso mesmo, é necessária a definição de um processo de proteção contra a água personalizado. Mas, em todos os casos, a garantia de qualidade e longa vida útil ao sistema depende da contratação de empresas especializadas para a realização do serviço. “É importante, também, dispor de projetos de impermeabilização consistentes, que apresentem, de forma detalhada, os procedimentos para a impermeabilização dos pontos onde existem a passagem dos eletrodutos e caixas de passagens”, ressalta Jefferson Sobral, coordenador de instalações da Trisul.

PROJETO DE ELÉTRICA

Além de impermeabilizar corretamente, há uma série de outros cuidados que podem ser adotados para minimizar os danos à rede elétrica derivados da umidade.

Em edificações novas, por exemplo, não se recomenda a instalação de quadros elétricos em áreas úmidas (banheiros e saunas). “Em edificações existentes que apresentaram alguma ocorrência de infiltração, a orientação é sempre fazer uma verificação cuidadosa das instalações elétricas depois de concluída a recuperação da impermeabilização”, finaliza Darcio Melian.

Fonte: AECweb

Águia Branca

About Águia Branca